Sons: Arranjo: Garganta

Disponibilidade: Em estoque

R$37,00

Sons: Arranjo: Garganta

Sinopse

Ricardo Domeneck é uma das mais interessantes personalidades poéticas surgidas na presente década. Com "Sons: Arranjo: Garganta", sua voz inconfundível se volta para a poesia corporal, física, irônica e militante. Armado de uma polêmica mas consistente leitura da poesia contemporânea, o autor planeja sua intervenção em várias frentes: edita com Angélica Freitas, Fabiano Calixto e Marília Garcia a revista "Modo de Usar & Co", produz vídeos, é DJ e realiza performances em festivais pelo mundo inteiro. Nascido no município paulista de Bebedouro, em 1977, atualmente vive e trabalha em Berlim, na Alemanha.


Leia um poema do autor:


Gênesis 01:02 e
Gênesis 01:03, ou
a que permite
o movimento
do que ao mesmo tempo
afasta-se, aproxima-se.
Nelas descanso
toda a minha expectativa
do começo da angústia
do desejo do fim do único.
Alisa-me o couro
até o sangue, ignora
estas camadas
inúteis
entre meus ossos
e teus pelos.
Incha-me
sem pomadas, aprovo
teu fogo de paliativos.
Nina-me,
embala-me
como o martelo
ao prego.

Áudio

Ricardo Domeneck é uma das mais interessantes personalidades poéticas surgidas na presente década. Com "Sons: Arranjo: Garganta", sua voz inconfundível se volta para a poesia corporal, física, irônica e militante. Armado de uma polêmica mas consistente leitura da poesia contemporânea, o autor planeja sua intervenção em várias frentes: edita com Angélica Freitas, Fabiano Calixto e Marília Garcia a revista "Modo de Usar & Co", produz vídeos, é DJ e realiza performances em festivais pelo mundo inteiro. Nascido no município paulista de Bebedouro, em 1977, atualmente vive e trabalha em Berlim, na Alemanha.


Leia um poema do autor:


Gênesis 01:02 e
Gênesis 01:03, ou
a que permite
o movimento
do que ao mesmo tempo
afasta-se, aproxima-se.
Nelas descanso
toda a minha expectativa
do começo da angústia
do desejo do fim do único.
Alisa-me o couro
até o sangue, ignora
estas camadas
inúteis
entre meus ossos
e teus pelos.
Incha-me
sem pomadas, aprovo
teu fogo de paliativos.
Nina-me,
embala-me
como o martelo
ao prego.

Informação Adicional

Número de páginas 128
Ano 2009
Formato 11.5x18.5
Edição Não
Número da revista Não
ISBN 978-85-7577-501-1