Mapoteca

Disponibilidade: Em estoque

R$40,00

Mapoteca

Sinopse

Nascido em São Paulo, em 1975, Felipe passou parte de sua infância vivendo fora do Brasil, como filho de exilados políticos. O autor apresenta em sua poesia, sintética e cortante, a Polaroid dolorosa e imparável dessas errâncias. Felipe Nepomuceno já publicou três livros, "Marciano", "Calamares" e "Aquário". "Mapoteca" traz a reedição dessas três coletâneas seguidas de três livros inéditos.  Estudou fotografia na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e na New York School of Visual Arts. Também cineasta e autor de vários curta-metragens premiados, Felipe traz para a poesia o olho-câmera. Mapoteca é ilustrado por vários desenhos de sua autoria.


Leia um texto do autor:


As conversas do Hemingway
Não sei o que esperar de 1982. Talvez continue na Cidade do
México. Quem sabe um dia escrevo um livro. Ninguém com seis anos tem
qualquer poder de decisão.
A nossa casa fica perto da Calle Londres e o meu pai anda
completamente pirado. Tenta acertar a mão na cozinha e volta e meia
conversa com um escritor amigo dele. Os dois marcam de passar o ano
juntos em Cabo Frio. Meu pai até disse para a minha mãe que já falou com o
Hemingway do seu filho. Disse que ele também escreve contos e adora ir
para a praia ficar dando tiros com sua espingarda de chumbinho.
Meu pai achava que com isso cativaria o velho Hemingway a levar
também sua família. Coisas de quem precisa muito de amigos, coisas de
quem teve um único filho.
No fundo, o meu pai gostava disso. Sentia que era o mais próximo
que tinha conseguido ficar do sonho da sua vida.
Muitas pessoas tiveram filhos em Cabo Frio, escrevendo livros,
esperando aqueles dias.
O meu pai me disse para ler um livro do Hemingway, me disse que
era tudo o que ele queria: ter escrito um único livro, esquecer todos aqueles
anos de euforia. Eu só penso na próxima Copa, como deve ser ter nascido em
Cabo Frio?
Ninguém com seis anos realiza qualquer sonho, ainda mais o que eu
queria: ser campeão do mundo perto da Calle Londres, morar lá até o resto
da minha vida.
Não conheço Cabo Frio. Nunca tive um filho, mas tenho certeza de
que ele vai passar dias inteiros brincando com o meu pai, dando tiros com
sua espingarda de chumbinho.
A verdade é assim: 1982.
As conversas do Hemingway não eram livros.

Áudio

Nascido em São Paulo, em 1975, Felipe passou parte de sua infância vivendo fora do Brasil, como filho de exilados políticos. O autor apresenta em sua poesia, sintética e cortante, a Polaroid dolorosa e imparável dessas errâncias. Felipe Nepomuceno já publicou três livros, "Marciano", "Calamares" e "Aquário". "Mapoteca" traz a reedição dessas três coletâneas seguidas de três livros inéditos.  Estudou fotografia na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e na New York School of Visual Arts. Também cineasta e autor de vários curta-metragens premiados, Felipe traz para a poesia o olho-câmera. Mapoteca é ilustrado por vários desenhos de sua autoria.


Leia um texto do autor:


As conversas do Hemingway
Não sei o que esperar de 1982. Talvez continue na Cidade do
México. Quem sabe um dia escrevo um livro. Ninguém com seis anos tem
qualquer poder de decisão.
A nossa casa fica perto da Calle Londres e o meu pai anda
completamente pirado. Tenta acertar a mão na cozinha e volta e meia
conversa com um escritor amigo dele. Os dois marcam de passar o ano
juntos em Cabo Frio. Meu pai até disse para a minha mãe que já falou com o
Hemingway do seu filho. Disse que ele também escreve contos e adora ir
para a praia ficar dando tiros com sua espingarda de chumbinho.
Meu pai achava que com isso cativaria o velho Hemingway a levar
também sua família. Coisas de quem precisa muito de amigos, coisas de
quem teve um único filho.
No fundo, o meu pai gostava disso. Sentia que era o mais próximo
que tinha conseguido ficar do sonho da sua vida.
Muitas pessoas tiveram filhos em Cabo Frio, escrevendo livros,
esperando aqueles dias.
O meu pai me disse para ler um livro do Hemingway, me disse que
era tudo o que ele queria: ter escrito um único livro, esquecer todos aqueles
anos de euforia. Eu só penso na próxima Copa, como deve ser ter nascido em
Cabo Frio?
Ninguém com seis anos realiza qualquer sonho, ainda mais o que eu
queria: ser campeão do mundo perto da Calle Londres, morar lá até o resto
da minha vida.
Não conheço Cabo Frio. Nunca tive um filho, mas tenho certeza de
que ele vai passar dias inteiros brincando com o meu pai, dando tiros com
sua espingarda de chumbinho.
A verdade é assim: 1982.
As conversas do Hemingway não eram livros.

Informação Adicional

Número de páginas 240
Ano 2009
Formato 11.5x18.5
Edição Não
Número da revista Não
ISBN 978-85-7577-502-8